Warning: session_start(): Cannot send session cookie - headers already sent by (output started at /home/monfm/public_html/novo/util/Constants.php:1) in /home/monfm/public_html/novo/util/Session.php on line 15

Warning: session_start(): Cannot send session cache limiter - headers already sent (output started at /home/monfm/public_html/novo/util/Constants.php:1) in /home/monfm/public_html/novo/util/Session.php on line 15
Rádio Monteiro FM

PlayList

PlayList

Tarifação da água da transposição só deve iniciar em 2019, diz Aesa


 Tarifação da água da transposição só deve iniciar em 2019, diz Aesa

A tarifação da água da Transposição do Rio São Francisco que será bombeada para a Paraíba, publicada nessa quarta-feira (19), no Diário Oficial da União (DOU), ainda não tem data para começar no estado.

De acordo com o presidente da Agência Executiva de Gestão das Águas da Paraíba, João Fernandes, existe uma possibilidade de que a cobrança só inicie a partir do próximo ano. Ele explicou que a cobrança se refere à tarifa de disponibilidade do produto para o consumidor e que só se houver um gasto maior do que o distribuído, o consumidor pagará um adicional. “É uma tarifa para garantir segurança hídrica. Enquanto não houver a formalização do contrato com a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (CODEVASF), que será a transportadora da água, não poderá haver a cobrança”, disse.

O valor definido para a cobrança da Operadora Federal, a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (CODEVASF), foi de R$ 0,801/m³ para a tarifa de consumo e R$ 0,244 para a tarifa de disponibilidade.

De acordo com a proposta, a tarifa de consumo é cobrada proporcionalmente ao volume de água efetivamente retirado pelas operadoras estaduais nos pontos de entrega. O valor visa a cobrir os custos variáveis do empreendimento, como a energia elétrica utilizada para o bombeamento e a taxa de administração do Projeto de Integração do Rio São Francisco (PISF).

Já tarifa de disponibilidade de água se refere à cobrança da CODEVASF junto às operadoras estaduais para cobrir a parcela fixa dos custos decorrentes da operação do PISF, como operação e manutenção da infraestrutura, cobrança pelo uso de recursos hídricos e gastos fixos com energia elétrica, que serão cobrados independente do bombeamento de água. Para chegar a ambas as tarifas, a ANA levou em consideração o resultado da Audiência Pública nº 002/2016. “Se houver captação, haverá cobrança. Do contrário só haverá a cobrança da tarifa de disponibilidade”, arrematou Fernandes.