A MELHOR DA HORA

JORNAL DA MONTEIRO 2ª EDIÇÃO

Estado receberá R$ 1,4 milhão para monitorar qualidade da água


Estado receberá R$ 1,4 milhão para monitorar qualidade da água

Na Paraíba, e em pelo menos outras dezesseis unidades da Federação, crise financeira e escassez de recursos não poderão servir de justificativa ou desculpa para não reforçar, a partir de agora, o monitoramento da qualidade da água servida à população.

Por meio de sua Agência Executiva de Gestão das Águas (Aesa), o Estado receberá anualmente (uma vez a cada semestre), até janeiro de 2022, quase um milhão e meio de reais do Programa de Estímulo à Divulgação de Dados de Qualidade de Água.

O contrato, de R$ 1,48 milhão, firmado pela Agência Nacional de Águas com a Aesa, foi publicado no Diário Oficial da União de quarta-feira (4). Com vigência de 60 meses, estabelece que a agência paraibana receberá  R$ 1,1 mil por ponto monitorado. A agência paraibana monitora atualmente, em todo estado, 126 açudes.

 

Os parâmetros mínimos a serem coletados nos pontos de monitoramento envolvem aspectos físico-químicos (transparência, temperatura da água, oxigênio dissolvido, pH e Demanda Bioquímica de Oxigênio, por exemplo), microbiológicos (coliformes), biológicos (clorofila e fitoplâncton) e de nutrientes (relacionados a fósforo e nitrogênio).

Além desse controle, que se dará seguido da obrigatória divulgação dos dados coletados, o programa objetiva também fortalecer a Rede Nacional de Monitoramento da Qualidade de Água, que começou a ser implantada em 2013.

A RNQA, como é chamada, propõe a padronização dos dados coletados, dos procedimentos de coleta e da análise laboratorial dos parâmetros qualitativos para que seja possível comparar as informações obtidas nas diferentes unidades da Federação.